Máscara PFF2

Máscaras PFF2 ficam suspensas, durante o estado de calamidade pública em decorrência da pandemia da COVID-19, da certificação de conformidade do Inmetro.

Portaria Inmetro Nº 142, de 22 de março de 2021, altera a suspensão da compulsoriedade da certificação de suprimentos médico-hospitalares para enfretamento da pandemia do coronavírus (COVID-19).

Essa portaria alterou a compulsoriedade, ou seja, a obrigação da certificação ou não dos equipamentos médicos-hospitalares, entre eles: Luvas cirúrgicas e de procedimentos não cirúrgicos de borracha natual, borracha sintética e de misturas de borrachas sintéticas; Luvas de proteção contra agentes biológicos e Máscaras PFF2.

Como ficou as certificações?

A Portaria Inmetro nº 102, de 20 março de 2020 havia suspendido a certificação compulsória por 12 meses, com intuito de manter o fornecimento adequado de suprimentos médico-hospitalar, os equipamentos indicados no parágrafo anterior.

Sendo assim, a Portaria Inmetro Nº 142, revogou o artigos 1º e 2º, que tratavam sobre as luvas cirúrgicas, de procedimentos não cirúrgicos e luvas contra agentes biológicos, ou seja, agora esses equipamentos terão que ser certificados pelo Inmetro, devendo ser retomadas.

Porém o artigo 3º, que trava sobre as Máscaras PFF2, deixa suspenso a obrigatoriedade de certificação do Inmetro para este equipamento, enquanto durar o estado de calamidade pública.

Essa portaria entrou em vigo em 23 de março de 2021.

Agora vamos para algumas explicações sobre as máscaras PFF2.

O que é uma máscara PFF2?

A sigla PFF significa Peça Facial Filtrante, sendo assim, obrigatoriamente as máscaras que levam a sigla PFF devem possuir uma camada de filtro, variando de acordo com a necessidade.

Temos três tipos de máscara PFF no Brasil, classificados de acordo com a sua eficiência

  • PFF1 – Possuem eficiência mínima de 80% (Penetração máxima de 20%)
  • PFF2 – Possuem eficiência mínima de 94% (Penetração máxima de 6%)
  • PFF3 – Possuem eficiência mínima de 99% (Penetração máxima de 1%)

Essas máscaras podem apresentar válvula de exalação, que tem por finalidade a retirada de ar quente de dentro da máscara, originados da exalação.

Para a proteção do vírus COVID-19, recomenda-se a utilização de máscara PFF2 sem válvula de exalação.

A máscara PFF2 apresenta maior proteção contra o coronavírus?

Se utilizada de maneira correta, ou seja, bem vedada (bem rente ao rosto, sem folgas) e respeitando a troca, sim. 

Para fazer esse ajuste e deixar ela vedada, é necessário a utilização do clipe nasal, ajustando-o de acordo com o rosto da pessoa.

O motivo da sua maior proteção é que além de apresentar uma boa filtragem, se adapta melhor ao rosto, por meio do clipe nasal, reduzindo o “vazamento” na região da bochecha, o que acontece muitas vezes com a máscara de pano ou cirúrgicas.

Por ser um EPI, para ela ser considerada PFF2, deve passar por testes rigorosos com relação a filtragem, tendo que filtrar no mínimo 94% das partículas, conforme mencionado anteriormente.

Ressaltando mais um vez, que a máscara PFF2 não deve conter as válvulas, para a pandemia, e devem estar bem aderida ao rosto.

As válvulas de exalação, caso a pessoa esteja contaminada, o vírus pode ser expelido pelas partículas, através desta válvula.

Erros mais comuns ao utilizar a PFF2

  1. Utilizar os elásticos juntos, o correto é que um elástico fique acima da orelha e outro abaixo.
  2. Pelo facial atrapalha na vedação.
  3. Cabelo comprido e solto, com a movimentação do rosto, a máscara fica mexendo junto com o cabelo.
  4. Utilização de duas máscaras, caso utilize duas máscaras, não utilizar nenhuma máscara entre o rosto e a PFF2, pois prejudica a vedação.

Cuidados com a máscara

  1. Utilize as alças para manusear a máscara, nunca toque no centro da máscara.
  2. Higienize as mãos antes de manuseá-la e retirá-la.
  3. Tome cuidado ao guarda a máscara utilizada, utilize envelope de papel ou pendure na sua casa, deixa ao menos 3 dias antes de utilizá-la novamente,
  4. Higienize as mãos após manuseá-la e retirá-la.
  5. Deixe em um local ventilado, não lave, molhe ou passe qualquer álcool ou produto químico.

O ideal é que seja realizado o descarte da máscara após o uso, recomendamos o uso de no máximo 6 horas, conforme prevê a OMS – Organização Mundial de Saúde, porém devido a escassez do produto, é necessário sua reutilização.

Vamos superar juntos

A Safety busca orientar todos com relação a pandemia instaurada, assim contamos com a colaboração de todos para mantermos o isolamento e respeitando a medidas de prevenção para evitar a disseminação ainda maior.